Texto: Adriana Araujo

O fim do ano e se aproxima e é política de muitas empresas proporcionar uma festa a seus colaboradores como agradecimento por mais um ano de trabalho. O evento se torna também uma chance para promover a confraternização entre os funcionários dos mais diversos setores da organização. No entanto, festas tem alto custo e em tempos de crise econômica se faz necessário um planejamento maior para que se possa agradar aos funcionários, sem com isso prejudicar o orçamento da empresa para o próximo ano.

O economista Eduardo Bassin avalia a importância de manter eventos como a festa para funcionários mesmo em tempos de crise. “O grande diferencial para a geração de valor econômico nas empresas é o capital humano. Os gastos das empresas com festas de confraternização e brindes de fim de ano são importantes para a manutenção de um bom ambiente de trabalho, levando a menores níveis de absenteísmo e de turnover, aumentando a produtividade da empresa”, analisa Bassin.

Os gastos podem ser diminuídos com cotação de preços com vários fornecedores ao invés de fechar o serviço com uma empresa já conhecida, a escolha do local para a realização do evento, algumas organizações optam por realizar a festa nas próprias dependências da empresa, caso haja espaço adequado, sem com isso prejudicar a qualidade da celebração.

Bassin comenta os fatores a que os empreendedores devem estar atentos para realizar um bom evento, sem ultrapassar os limites financeiros da instituição. “Acredito que a disciplina, criatividade e conhecimento da própria realidade são fundamentais para que as empresas possam atender suas demandas internas não apenas durante as festas de fim de ano, mas durante todo o ano”, completa.