Texto: Adriana Araujo

Mais um ano letivo se aproxima e estudantes de Campo Grande que irão iniciar o ensino médio e gostariam de fazer um curso técnico concomitantemente esbarram na falta de opções de escolas técnicas no bairro, que conta com apenas uma opção, o Centro Interescolar Estadual Miécimo da Silva, que oferece três opções de cursos: Administração, Informática e Edificações.

Com o número de vagas limitado, o ingresso de boa parte dos jovens que gostariam de fazer o ensino médio de forma integrada fica impossibilitado. É o caso da estudante do terceiro ano do ensino médio Amanda Ferreira, moradora de Campo Grande, que não conseguiu uma vaga na escola.

“Gostaria muito de ter feito ensino médio técnico, pois em comparação com o ensino regular é muito melhor. No mercado de trabalho ter uma qualificação ou curso faz toda a diferença, e fazer esse curso junto com o ensino médio agrega mais conhecimentos ao estudante e pode direcioná-lo a área que ele seguirá no futuro”, analisa Amanda, que conseguiu uma vaga no ensino médio regular no Colégio Estadual Stuart Edgar Angel Jones.

A responsabilidade pela implantação de mais unidades de ensino técnico na região cabe à Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), subordinada à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, que esclarece os motivos para a ausência de unidades em Campo Grande:

“A unidade da Faetec em Campo Grande fez parte do plano de expansão do ensino profissionalizante da nossa rede iniciado em 2013, acompanhando o forte crescimento econômico do estado àquela época. Para abertura da unidade, ainda estão pendentes a aquisição de materiais e equipamentos para montagem dos laboratórios de ensino e a retirada de veículos apreendidos pelas polícias Civil e Militar guardados no terreno”, diz a assessoria de imprensa da Faetec.

“Com o agravamento da crise em 2015, a abertura de novas unidades da Faetec que gerariam aumento de nossas despesas de custeio foi suspensa temporariamente. Estamos reavaliando o cenário constantemente. Mantemos o compromisso de aportar os recursos necessários para a conclusão da unidade assim que a recuperação econômica do país e do estado permitirem”, completa a assessoria.

Imagem: Portal Viu Online