Texto: Adriana Araujo

O ano de 2016 foi encerrado com uma taxa de desemprego de quase 12%, segundo dados do IBGE, e para 2017, a expectativa para o primeiro semestre é de crescimento desse número, devendo passar dos 13%. Para o segundo semestre, deve haver uma pequena retração da taxa, mas a previsão ainda é que supere os 12%. Neste cenário, mesmo profissionais com alto nível de qualificação enfrentam o desemprego e investem em seus próprios negócios para contornar a situação. Esse é o caso da psicóloga Carol Corrêa e da administradora Samyra Barbosa, que estão desempregadas desde fevereiro de 2016, quando foram demitidas da empresa onde trabalhavam na área de Recursos Humanos.

Após pesquisas para saber qual o melhor ramo para empreender, Samyra optou por comercializar produtos voltados para o público feminino. “Montei uma loja virtual voltada para o público feminino com produtos de qualidade e a baixo custo: calçados, cosméticos, acessórios. A proposta é levar a loja até o cliente. E hoje já temos um bom tráfego na página. Depois de pesquisar na internet notei que, mesmo com a crise que enfrentamos no país, estes produtos continuam sendo consumidos”, declara Samyra.

Já Carol optou por investir em uma paixão da adolêscencia: a confeitaria. “Eu sempre tive admiração pela confeitaria e, quando adolescente, costumava fazer receitas que via nos programas de TV. Quando fiquei desempregada, acreditei ser importante ter uma outra profissão. Via várias reportagens de pessoas que fizeram a mesma coisa, pra se manter, vendiam algo”, conta a psicóloga que trabalha com bolos decorados para diversas ocasiões.

O sócio-diretor da ba}Stockler, empresa de consultoria de gestão, Marcus Cordeiro, afirma que é uma tendência que profissionais invistam em negócios próprios em períodos de desemprego. “Sem a perspectiva de recolocação no mercado de trabalho, a tendência é que os profissionais desempregados invistam suas verbas rescisórias e/ou respectiva poupança em um negócio próprio. As estatísticas mostram que houve um aumento do número de empresas abertas em 2016 vs. 2015, especialmente no segmento de Microempresas Individuais (MEIs)”, analisa Cordeiro.

Voltar para o mercado formal ainda é o desejo das duas profissionais. Samyra chegou a fazer cursos de reciclagem em sua área de formação, mas ainda aguarda uma oportunidade. Já Carol resolveu investir mais na qualificação em sua segunda profissão fazendo um curso de Cake Design. “Eu pensei mesmo em ter uma nova profissão, um plano B.E confesso que por ter MBA e ele não ter feito a diferença no currículo, fiquei um pouco decepcionada em fazer mais um curso na área”, comenta Carol.

Cordeiro comenta que muitos profissionais passam pelo mesmo desânimo que Carol em continuar investindo na formação inicial. “O profissional quando fica desempregado e não consegue uma recolocação em um prazo razoável, tende a desanimar e passa a ver a possibilidade de abrir um negócio como a forma mais efetiva de voltar a ter uma remuneração no curto prazo. Isso faz com que ele dificilmente tenha ânimo para investir em reciclagem profissional, sem uma perspectiva concreta de voltar ao mercado”, avalia.

Mesmo com o desejo de voltar a trabalhar em suas respectivas áreas de formação, nenhuma das empreendedoras pretende desistir de seu negócio. “Minha intenção, no momento, é voltar ao mercado formal, mas manter meu negócio como uma segunda opção de renda. Até porque já alcançei uma boa frequência na página, e, hoje em dia, é interessante ter sempre uma segunda opção de renda”, relata Samyra. Carol concorda: “Não quero parar nunca mais com meus produtos, até para se firmarem, ficarem conhecidos e ter sua clientela fiel. Vai ser sempre meu plano B de profissão” afirma Carol.

Cordeiro afirma que o planejamento é essencial para aqueles que pensam em empreender: “Se a pessoa opta por abrir um negócio próprio deve sempre ter em mente que, com um bom planejamento e uma reserva financeira adequada, as chances de um insucesso diminuem consideravelmente. Se ela não tomar as devidas precauções, corre o grande risco de falhar e se colocar em uma situação mais crítica do que aquela em que estava anteriormente”, finaliza.

Serviço:
Vem que Tem Delivery: calçados, cosméticos, e acessórios. Whatsapp: 995751953.
Maravilhas da Carol: bolos decorados temáticos. Whatsapp: 96429-0012.

Imagem: Pixabay