Em meio às inúmeras discussões sobre a reforma da previdência, o questionamento dos contribuintes diz respeito à estabilidade e às dificuldades cada vez maiores para conseguir a tão sonhada aposentadoria. Porém, muitos especialistas questionam a validez da previdência pública e garantem os benefícios de investir e conseguir estabilidade financeira.
Além da já tradicional poupança, existem opções como o Tesouro Direto e os mais variados títulos. Quer saber mais? Conversamos com o economista, especialista em economia Empresarial e Mercado Financeiro, Eduardo Bassin, que listou algumas dicas fundamentais. Confira:
– Para identificar o investimento mais adequado para uma pessoa é necessário, antes de tudo, mapear e entender seu perfil como investidor. Cumprida esta atividade, elaboramos uma carteira de investimentos que se adéque ao perfil do cliente cuidando para que o tripé de investimentos “segurança-rentabilidade-retorno” seja observado;
– Uma boa forma de começar a investir é elaborar uma planilha para monitorar os gastos e identificar o valor mensal que será canalizado para os investimentos. Identificado o valor, é necessário traçar uma meta factível, ou seja, uma meta que seja possível ser alcançada;
– Muitas pessoas acreditam que é necessário ter um considerável volume de recursos financeiros para começar a investir, o que é um erro. O importante é começar;
– [O tempo para ver os resultados do investimento] não tem uma resposta genérica. No caso de investimentos em renda fixa é possível calcular o momento em que os resultados serão verificados. Para os investimentos em ativos reais os economistas elaboram cenários com base na conjuntura econômica, o que permite apontar o retorno. Para os investimentos em renda variável não é possível indicar o retorno com uma margem de segurança adequada às expectativas de um pequeno investidor;
– A diferença entre investir sozinho e com a orientação de um profissional está nos resultados que serão alcançados. Para investir com segurança é necessário ter uma meta bem elaborada, conhecer os produtos financeiros disponíveis no mercado, entender de macroeconomia, ter bom desempenho em cálculos e capacidade para ler e interpretar as estatísticas disponíveis. O profissional habilitado e mais indicado para esta atividade é o economista. Há outros profissionais que também prestam consultoria nesta área, mas só o economista é capacitado para elaborar cenários macroeconômicos, o que é decisivo para o sucesso de uma estratégia de investimentos;
– Também é imprescindível buscar auxílio dos profissionais imparciais, ou seja, o profissional que indica o investimento não deve ser o mesmo que vende o investimento. Quando isso ocorre o cliente tem o dever de desconfiar. Os profissionais mais indicados não têm vínculos com bancos, corretoras de valores ou imobiliárias. A remuneração do profissional deve vir do cliente e não de comissões externas.

Imagem: Free Pik