Piscina fechada, professores demitidos e a promessa do Centro Esportivo Miécimo da Silva, um espaço gratuito para prática de esportes no bairro, foi deixando de ser realidade. Segundo noticiado pelo Jornal Extra, em matéria do dia 5 de setembro, foram demitidos 120 professores que atuavam no complexo, acarretando a suspensão de diversas atividades oferecidas. Além disso, a piscina do lugar foi fechada após o término de um contrato emergencial encerrado no último mês. Com apenas 41 profissionais concursados e com a promessa da Subsecretaria de Esporte e Lazer de que novo contrato para o centro esportivo deve entrar em vigor ainda nesta semana, o clima ainda é de incerteza. A OS vencedora da licitação foi o Instituto Fair Play*.

“Há nove meses o centro está sem contrato, porém, com a ajuda de voluntários (professores e administração, e dos professores da Secretaria Municipal de Educação) estávamos funcionando com capacidade reduzida. Sendo assim, foi a única vila olímpica da Subsecretaria de Esporte e Lazer que estava em funcionamento neste ano”, afirma Thiago Barros, gestor exonerado do espaço. Ele afirma ainda que graças a sua gestão e em agradecimento aos funcionários, professores e voluntários, cumpriu um ano e cinco meses nos quais conseguiram tirar o CEMS do sucateamento. Thiago ainda contesta a decisão de exonerá-lo afirmando que a atitude foi consequência de questões políticas envolvendo a votação do IPTU.

Para o lugar do antigo gestor, foi nomeado Carlos Wendell, que segundo a subsecretaria responsável já está trabalhando. Sobre os funcionários, porém, a Organização Social (OS) vencedora da licitação terá a responsabilidade de lidar com as contratações.

Coletivo promove abaixo-assinado em prol do espaço

Com todos os problemas e o reflexo nos benefícios para a população, o Coletivo Rexiste Campo Grande teve a ideia de criar um abaixo-assinado para ser entregue à prefeitura, subprefeitura da Zona Oeste e direção do centro esportivo. Já foram registradas mais de 10 mil assinaturas em menos de uma semana.

“Nosso objetivo é mostrar as assinaturas para a direção do Miécimo, subprefeitura e prefeitura do Rio de Janeiro, buscando melhorias e ações diretas para reforma. Esperamos que através disso, nossa voz seja ouvida. Queremos representar a população de Campo Grande e da Zona Oeste, representar este amor que todos temos pelo o que o Miécimo representa na vida de cada um que frequentou e frequenta o centro esportivo”, afirma Ana Paula Bellot Vita, também membro do coletivo.

Para participar do abaixo-assinado, basta acessar o link . Lá você pode saber mais sobre a iniciativa.

*Editado em 17 de setembro.

Imagem: https://goo.gl/images/ciyAZY