Após meses de uma intensa crise vivida pelo Hospital Municipal Rocha Faria, com salários de funcionários atrasados, péssima qualidade de atendimento a pacientes que procuravam a unidade e falta de insumos básicos para o bom funcionamento da unidade, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) decidiu rescindir o contrato com a organização social Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (IABAS) para a gestão do hospital e da Coordenação de Emergência Regional de Campo Grande (CER Campo Grande). A gestão das unidades a partir de agora ficará a cargo da Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro (RioSaúde). O aviso de rescisão foi publicado em Diário Oficial no final de dezembro e o processo de transição para a nova gestão vai durar 45 dias, seguindo os trâmites legais.

Já foi instalada na unidade um gabinete de transição para comandar o processo composto por uma equipe de gestores da Subsecretaria de Atenção Hospitalar, Urgência e Emergência (SUBHUE), incluindo o subsecretário Mário Lima. A mudança terá ainda o acompanhamento de diretores da RioSaúde. Os setores do hospital já foram vistoriados e a equipe já conversou com os profissionais sobre a rescisão contratual, o período de transição, sobre como serão acertadas as questões trabalhistas e o aproveitamento da força de trabalho pela nova gestão.

O reabastecimento da unidade com medicamentos e insumos que estavam com estoques críticos e o reaparelhamento do hospital já foi iniciado. A Prefeitura do Rio garante que fará os repasses necessários para os pagamentos dos direitos trabalhistas das equipes que trabalham na unidade atualmente pelo IABAS e que os funcionários que tiverem interesse e mostrarem bom desempenho no período de transição serão aproveitados.

Sobre a RioSaúde

Em operação desde 2014, a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro – RioSaúde integra a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e, atualmente, opera quatro emergências municipais: a CER Barra da Tijuca e as UPAs de Cidade de Deus, Rocha Miranda e Senador Camará. Juntas, essas unidades já receberam mais de 1,4 milhão de pacientes nos últimos três anos.

Como empresa pública, a RioSaúde se submete a toda legislação aplicável ao governo para compras e contratações, o que confere mais transparência ao processo. Ao mesmo tempo, utiliza ferramentas modernas de gestão para aumentar a eficiência e a qualidade dos serviços de saúde.

Doações

A Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) está participando da campanha emergencial para arrecadar material para o Hospital Rocha Faria. Dentre as necessidades da instituição e de seus pacientes estão fraldas geriátricas G e luvas de procedimento Me G. Há falta também de algodão, gase, álcool 70 de higienização e esparadrapo. Quer ajudar? Deixe sua doação na ACICG (Rua Augusto de Vasconcelos, 1236).

 

Foto: Paula Johas (http://transparenciacarioca.rio/web/guest/exibeconteudo?id=6288670)