No último dia 3 de março, membros da diretoria da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) receberam o Secretário Municipal de Transportes do Rio de Janeiro, Rubens Teixeira, para debater as demandas relacionadas ao transporte na região de Campo Grande.

Na ocasião, o presidente da ACICG, Guilherme Eisenlohr, abriu a reunião agradecendo a presença do secretário e apresentando dados relevantes para a discussão, como o fato de Campo Grande ser o bairro com a maior arrecadação de ICMS da cidade, além de possuir uma frota de veículos de 160 mil. O presidente destacou, ainda, que o aumento do número de carros na região é uma preocupação para o empresário local, pois aumenta a dificuldade de acesso ao centro de Campo Grande, onde está a maior parte do comércio. Desta forma, também apontou Eisenlohr, é preciso fortalecer o transporte de massa na região, para que sejam oferecidas alternativas viáveis à população, o que pode contribuir para o desafogamento do trânsito.

Após a fala do presidente, o conselheiro José Luís Dutra apontou as principais demandas referentes ao transporte de massa e facilitação da circulação do trânsito na região. São elas:

  • Ausência de operações de controle do trânsito na região, como a presença da CET-RIO, reboques, efetivo da guarda municipal etc.;
  • Monitoramento do trânsito;
  • Vans: devem abastecer o sistema principal e não competir com ele;
  • Extinção de linhas de ônibus importantes para a região, como a de São Jorge;
  • Rodoviária de Campo Grande;
  • Retirada da estação do BRT Maria Tereza;
  • Duplicação da Estrada da Cachamorra;
  • Transporte para o bairro Tingui;
  • Criação de acostamento ao longo de todos os acessos a Campo Grande;
  • Inversão de mão de ruas para permitir acesso ao centro de Campo Grande;
  • Instalação de mão dupla do novo viaduto até a Estrada do Cabuçu;
  • Fechamento do centro de Campo Grande para carros e colocação de transporte alternativo, como o VLT.

O secretário Rubens Teixeira apontou que algumas das demandas já estão em andamento para resolução, como a situação da estação do BRT Maria Tereza, que foi encaminhada ao prefeito e aguarda retorno, e a reordenação das vans, que, segundo o secretário, terão sua regulamentação iniciada ainda nesta semana:

“Eu já falei com o prefeito para tirar essa estação. Ou faz o BRT, que não vai ser feito, ou tira essa estação. […] Eu já levei isso ao prefeito e estou resolvendo, vou reforçar com ele. Na região de vocês, a AP5, o transporte é o pior que existe na cidade, pela complexidade da falta de ônibus. Eu tenho conversado com os empresários [de ônibus] essa questão da redefinição da passagem, isso precisa ser feito, e já estou negociando. Creio que estejamos em fase final de negociação para se chegar a uma conclusão sobre isso. Na questão das vans, será iniciada uma prévia de regulamentação, sai o decreto essa semana. A licitação da Zona Oeste estava parada, vou colocar para andar. Creio que essa semana já comece. Também estamos reavaliando o itinerário das vans. Muitas coisas são simples e vou verificar. Também já estão sendo abertas pela CET-RIO, licitações para contratação para profissionais de ordenação do trânsito”, afirmou o secretário.

Teixeira deixará a Secretaria de Transportes em abril, mas garantiu que agilizará o máximo de ações com o prefeito e o novo secretário, além de acompanhar a situação de perto, mesmo que não esteja mais no cargo.

“O que está aqui [as demandas], eu vou levar em conta, quando eu passar o cargo, vocês podem me perguntar. Eu sou uma pessoa organizada e coloco o trem no trilho, se a pessoa que me suceder parar o trem, eu vou dizer que ele está parando um assunto importante e me coloco à disposição para fazer interlocução com o prefeito sobre o assunto. Não fiquem preocupados de eu estar em função ou não. O que mais me importa é a solução dos problemas do que eu estar em cargo. […] A solução é vocês cobrarem da gente, não deem trégua. Nosso dever é fazer ou dizer que está em análise. É o caso da estação do BRT. O prefeito está analisando os impactos. Vou voltar a cobrar”, garantiu Teixeira ao final do encontro.

 

Imagem: Rita de Cássia Costa