Empresas de grande, médio e pequeno porte enfrentam um problema semelhante, a alta rotatividade de funcionário ou turnover. Esses termos se referem a tudo que é relacionado a movimentações de pessoal, como contratação, transferência, morte, aposentadoria, demissão, falta, atrasos, atestados, tudo que pode ocasionar a ausência dos colaboradores dentro da empresa, gerando prejuízo pela não realização de atividades. Vale ressaltar que férias não entram neste cálculo por ser um direito do trabalhador, que será programado e a função do colaborador será exercida por outra pessoa sem causar danos.

A mensuração do índice de rotatividade é realizada pelo governo por meio da entrega anual da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), acompanhando o trabalho formal e a evolução do mercado de trabalho. O crescimento pode ocorrer devido ao aumento do quadro de funcionários ou abertura de novas empresas, elevando o índice de novas contratações e menos desempregados. Por outro lado, quando há muitos desligamentos ou fechamento de instituições é sinal que temos um número alto de pessoas desempregadas. É um alerta de que as coisas não andam bem no mercado de trabalho.

Hoje vivemos um crescimento do desemprego e muitas pessoas optam pelo o trabalho informal, o que gera menos contribuições e com a crise que vem acontecendo, as empresas contribuem menos, devido a baixa circulação capital no mercado financeiro, não conseguindo manter o fluxo ou mesmo contratar mais colaboradores.

Por isso o Ideal é procurar manter baixo o nível de turnover,  ficando abaixo de 5%. Quando o índice encontram-se  acima de 5%, a empresa encontra-se com problemas sérios  e pode vir a gerar custos de curto, médio e longo prazo. Por este motivo devemos acompanhar a saúde ocupacional da organização e reagir imediatamente para não deixar o quadro evoluir. Podemos listar alguns dos problemas que podem ocorrer com esta falta de acompanhamento:

  1. Aumento com os gastos de demissão, com novas contratações e os treinamentos destes novos colaboradores;
  2. Todo o investimento intelectual no antigo colaborador para que obtivesse todo conhecimento para atuar na função é perdido. É necessário investir nos próximos a ocupar o cargo para que possa ter as mesmas condições de atuar de acordo com a necessidade da empresa;
  3. Tempo que será investido para a busca e qualificação deste novo integrante para que possa ter as competências e conhecimentos necessários para ocupar o cargo do funcionário afastado;
  4. Perda do entendimento de processos, tais como operações tecnológicas, sistemas próprios, recursos etc.

Acompanhando a rotatividade pode-se entender o que vem gerando essa movimentação dentro da empresa e assim buscar soluções para que se possa reter estes talentos e com isso manter a equipe motivada e produtiva.

Vários fatores podem levar a um alto índice de rotatividade, tais como:

  1. Problemas pessoais: doenças, mudança, estudo, empreender;
  2. Ambiente onde o colaborador não se sente confortável para realização do trabalho;
  3. Remuneração e falta de benefícios, com isso busca novas oportunidades dentro da sua expectativa e necessidades;
  4. Dificuldade de interagir com o líder, por este não motivar a equipe, administrar incorretamente as pessoas e por não dar a devida valorização a cada um;
  5. Falta de perspectiva e oportunidade de crescimento dentro da organização;
  6. Falta de crescimento. Geralmente não existe variedade de trabalho e aprendizado o que faz com que o empregado realize sempre a mesma atividade e caia na rotina, o que causa grande desmotivação e a busca de novas oportunidades.

O que podemos fazer para diminuir ou evitar esta rotatividade na empresa, e assim obter poucos pontos negativos? Precisamos investir em processos e ações preventivas que façam esta taxa diminuir gradativamente. Se não deseja perder seus colaboradores em decorrência dos pontos narrados até aqui, busque:

  • Oferecer um ambiente onde haja respeito e dignidade no trabalho, onde os colaboradores sintam que fazem parte da organização e se torem mais produtivos;
  • Valorize seus colaboradores apontando suas ações sempre que forem positivas;
  • Dê oportunidade de crescimentos e remuneração adequadas a função;
  • Tenha programas de motivação, assim irá fazer com que o colaborador se esforce cada vez mais para que possa ser reconhecido;
  • Alinhe seu RH para que identifique e busque as possíveis causas do alto nível de rotatividade;
  • Sempre que possível, avalie o motivo pelo qual o colaborador está se desligando. Ao identificar o problema, avalie qual a ação deve ser tomada para corrigi-lo, principalmente se o relato for o mesmo por outros colaboradores;
  • Pesquisa de satisfação do colaborador é um ótimo recurso para avaliar a percepção dos colaboradores em relação a empresa. Por meio dessa ação é possível saber como encontra-se o clima da sua organização;
  • Fazer constantes levantamentos dos principais motivos que estão elevando o índice de rotatividade e atuar de forma assertiva para a redução deste número.

O RH ou os responsáveis pelo desenvolvimento da organização devem estar sempre alertas à saúde ocupacional da empresa e atentos principalmente quando este índice é alarmante, pois indica que algo anda em desalinho ao objetivo que a empresa busca, causando prejuízos. Por isso, quanto mais rápido for identificado o que vem causando esses afastamentos e colocadas em prática ações para ajustar e solucionar o ponto encontrado, será possível conquistar funcionários mais satisfeitos e colaborativos.

 

Jeane Ferreira

Gestora de RH da Patrimônio Humano